Documentos do Wikileaks expõem a (promíscua) relação da mídia brasileira com os EUA


Título original : Documentos do Wikileaks expõem relação da mídia brasileira com os EUA.

Matéria retirada de : Redação Portal IMPRENSA

Novos documentos diplomáticos da embaixada americana no Brasil, conseguidos pelo Wikileaks e referentes à relação da mídia brasileira com os EUA, foram analisados pela Agência Pública. O site, que tem acesso aos papéis, publicou reportagens nesta segunda-feira que mostram citações a grandes veículos nas cartas enviadas a Washington.

Segundo estimativa, em cerca de 40% dos 3000 telegramas, há menção a algum meio de comunicação ou termo relacionado à imprensa brasileira. O jornal mais utilizado como fonte pelos diplomatas, na hora de verificar o impacto de decisões americanas na mídia, é a Folha de S.Paulo, tida como “o maior diário esquerdista”. O diário também é referendado por ser o de “maior tiragem do país.” Em seguida, vem o Estadão, descrito como “conservador”. Também foi constatado que a Revista Veja é a preferida para leitura pelos embaixadores.Proximidade americana com a RBS e o Estado de S. Paulo

Uma grande proximidade da RBS e do O Estado de S. Paulo com a diplomacia norte-americana e seus interesses é evidenciada em diversas mensagens analisadas.Em 2005, uma visita do embaixador John Danilovich a Porto Alegre resultou em um almoço do representante dos EUA com a direção editorial do grupo RBS, no qual dados aprofundados da empresa foram expostos, incluindo a filiação com a Rede Globo. A relação entre o órgão e a grupo de comunicação é bastante próxima, como é descrito pelo cônsul de São Paulo na época, Patrick Dennis Duddy, e relatado no telegrama: “Nós temos tradicionamente tido acesso e relações excelentes com o grupo”.
Outro documento evidencia favorecimento do Estadão com políticas da embaixada dos EUA. Um encontro entre Danilovich e líderes da comunidade judaica em São Paulo, entre eles Abraham Goldstein, resultou na revelação de O Estado de S. Paulo defender os interesses sionistas: “Goldstein disse que enquanto o editor de O Estado de S.Paulo prometeu cobertura “positiva”, outros jornais de grande circulação são vistos como tento inclinação pró-Palestina e não parecem ser de grande ajuda” redigiu o diplomata.
 
Reuniões informais com jornalistas 
Além das relações estreitas com veículos de comunicação, também reuniões informais com
jornalistas eram feitas no período de 2006 a 2010. Carlos Eduardo Lins da Silva, ex-ombudsman da
Folha de S.Paulo, realizou quatro reuniões neste meio tempo com a embaixada. William Waack, da
Rede Globo, também participou de encontros. Em ambos os casos, o assunto era as eleições e a corrida dos partidos PT e PSDB à presidência.
*Caso a Revista solicite a retirada do ar desta matéria , será prontamente atendida.
Anúncios

Sobre UnderlinePV

"Sei o que faço, Amo o que faço e faço bem" Paulo Victor Fanaia é Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Ouro Preto-MG
Esse post foi publicado em Matérias. Bookmark o link permanente.

Deixar um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s