Para além do discurso da censura:


Políticas Públicas, Conselho Nacional de Mídia em pauta com a professora Juçara Brites, nesta quarta-feira, 26, segundo dia da Semana de Comunicação (Secom), na palestra “Políticas Públicas”

Traçando uma perspectiva histórica da regulamentação da mídia no Brasil, desde a era Vargas passando pela ditadura militar até os tempos de hoje, a mesa promoveu uma discurssão sobre a necessidade da Mídia ser, acima de tudo, passiva do controle democrático e das políticas públicas, isto é, resguardando o sentido inicial da palavra em latim “media” que significa, basicamente, meio, meio pelos quais se difunde informação.

Ao longo do raciocínio vamos  analisando o fato de que atuação da imprensa e dos meios de comunicação sempre esteve fortemente ligada aos processos de consolidação ou destruição da democracia. Até que enfim pensamos a atual conjuntura nacional, onde temos apenas 41 grupos dominando a mídia nacional, com destaque para o Grupo Abril, a primeira colocada com 74 veículos e a Globo, na televisão, com seus 340 retransmissores. *

Outra informação muito interessante que estudamos nesta tarde foi a relação existente entre poder midiático e política. Com destaque para a era Sarney e o “derrame das concessões”, quando concessões de Rádio e TV se tornaram moeda de troca. Fato é que, hoje, dos atuais prefeitos exercendo no Brasil, 54,24% tem alguma relação direta com estações de rádio e TV.

É necessário pensarmos um jornalismo efetivamente democrático, um jornalismo de resistência. É sobretudo importante que sejamos capazes de perceber que os produtos midiáticos, isto é, novelas, séries, programas e os jornais de qualquer meio, são reflexos de um discurso de poder que visa manter a supremacia dos pequenos grupos e dos políticos.

Para tal é que hoje existem iniciativas para reverter essa situação, para que tenhamos de fato uma mídia livre e democrática, como a ANDI (Agência Nacional do Direito à Informação), que critica a própria imprensa no tratamento das informações. E o próprio “Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação” e a CONFECOM, que muito desagradam os “sindicatos” dos poderosos da mídia.

É indispensável, se pretende pensar em democracia, o que é a liberdade. E o que se torna a liberdade sem direitos. Como podemos considerar a mídia de massa um veiculo democrático sendo que em poucos anos milhares de rádios independentes foram fechadas, e seus donos presos. E o que resta é uma guerra entre Globo e  Record, perpetuando o latifúndio da Mídia, o coronelismo eletrônico.

A Semana de Comunicação está em sua terceira edição e é promovido pelo curso de Jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), no Instituto de Ciências Sociais Aplicadas (ICSA), o evento vai até o dia

Sites indicados pela professora Juçara Brites:

http://donosdamidia.com.br/

http://fndc.org.br/

http://www.andi.org.br/

* Dados: donosdamidia.com.br

Anúncios

Sobre UnderlinePV

"Sei o que faço, Amo o que faço e faço bem" Paulo Victor Fanaia é Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Ouro Preto-MG
Esse post foi publicado em Matérias. Bookmark o link permanente.

Deixar um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s